Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » » Parquinhos de diversão abandonados oferecem riscos aos visitantes
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Era para funcionarem como lugares de curtição, mas o estado de abandono dos brinquedos e parquinhos de diversão vem oferecendo riscos para os visitantes, na região de São José do Rio Preto (SP).
Em uma escola de Educação Infantil, no bairro São Francisco, uma criança, de 2 anos de idade, teve parte de um dedo decepado em um dos brinquedos. Foi necessário passar por uma cirurgia para reconstituir o dedo, que ficou torto. "Três bombeiros tiveram que desmontar o brinquedo para tirar ele de lá, porque ficou preso", conta a operadora de telemarketing Silvelene Aparecida dos Santos. Por consequência, a Prefeitura de Rio Preto foi condenada a pagar uma indenização de R$ 15 mil aos pais da criança.
Enquanto brincava no parquinho da escola, em Birigui (SP), um menino de 5 anos também acabou ferido. O estudante foi atingido na cabeça por um pilar que sustentava o alambrado e o parque precisou ser interditado.
Aprovada no ano passado, uma lei estadual obriga os responsáveis tanto por parques infantis públicos quanto por particulares, como os de buffets e condomínios, a realizarem uma vistoria anual nos locais. O trabalho deve ser feito por um engenheiro que, após verificar o estado de conservação dos brinquedos, emite um laudo com as observações necessárias.
Descaso
O descaso por parte do poder público é visto por todo o parquinho da avenida Mirassolândia, em Mirassol (SP). Além dos pregos expostos e quase todos enferrujados, brinquedos e bancos estão quebrados, a cerca foi aberta em vários pontos e o lixo está espalhado por toda parte.
O banco de madeira da carroagem está rachado e com lascas ponteagudas. Outros brinquedos têm várias partes soltas, sem parafuso. Enquanto isso, materiais de limpeza, latas de tinta e restos de entulho seguem espalhados pelo parque. "Tem que ficar de olho. A gente traz porque os meninos querem vir mas, pela vontade nossa, não traria não", explica o autônomo Márcio Rogério Gallati.Na cidade da criança, em São José do Rio Preto, os brinquedos com estrutura metálica estão todos enferrujados, enquanto algumas peças soltas e com pontas oferecem perigos às crianças. A área do escorregador, onde os visitantes brincam descalços, está tomada por pedras e pedaços de concreto da calçada, que está esfarelando e se mistura à areia.

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply