Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » Morto aos 91, rei Abdullah era visto como reformista e defensor da paz no Oriente Médio
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga


O rei Abdullah bin Abdul Aziz Al-Saud morreu nesta quinta-feira em um hospital da Arábia Saudita aos 91 anos, segundo a emissora estatal do país.
Seu irmão, Salman, de 79 anos, assumirá a coroa.
Abdullah estava há várias semanas internado por causa de uma infecção pulmonar.
Leia mais: Condenação de blogueiro a chibatadas será reavaliada na Arábia Saudita
Ele ocupava o trono de 2005 e enfrentou diversos problemas de saúde nos últimos anos.
Abdullah comandou por quase dez anos uma das sociedades mais conservadoras do mundo.
Neste tempo, buscou estabelecer um equilíbrio entre manter as relações do país com o Ocidente e atender à opinião pública saudita.

Reformas

Criado sob o islamismo tradicional, ele era visto, no entanto, como um agente de reformas e tornou-se um dos principais defensores da paz no Oriente Médio.
Acredita-se que ele tenha nascido em agosto de 1924 na capital Riyad, mas esta data é alvo de controvérsias.
Ele foi o 13º dentre os 37 filhos do rei Abdul Aziz Al-Sau, que criou o Estado saudita moderno, e deu o nome de sua família ao novo país.
Sua mãe, Fahda, a 8ª das 16 mulheres do rei, era uma descendente de beduínos, e o jovem Abdullah passou longos períodos em sua infância vivendo no deserto.
Leia mais: Mulheres que dirigiram na Arábia Saudita serão julgadas em corte antiterror, dizem ativistas
Nascido em uma família regida por regras rígidas, o jovem príncipe foi criado sob as visões tradicionais de seu pai e aprendeu sobre religião, literatura e ciência com acadêmicos islâmicos.
Seu meio-irmão Faisal foi nomeado primeiro-ministro em 1958 depois que outro meio-irmão, Saud, que havia assumido o trono em 1953, foi persuadido a abrir mão do controle sobre o governo.
Em 1962, Faisal nomeou Abdullah comandante da Guarda Nacional Saudita, órgão que tem a função de proteger a família real e que tradicionalmente é liderado por um membro dela.
Sob o comando de Abdullah, a guarda aumentou de tamanho e foi equipada com armamentos de última geração.

Reconhecimento internacional


O rei Faisal foi assassinado em março de 1975, e seu sucessor, e irmão, o rei Khalid, manteve a posição de Abdullah na guarda e tornou-o seu segundo vice-primeiro-ministro.
Ele tornou-se mais conhecido internacionalmente nos anos 1970, quando se tornou um crítico da política dos Estados Unidos no Oriente Médio e um apoiador da unidade pan-árabe.
Abdullah acreditava que apenas a solidariedade entre os países árabes poderia transformar seu petróleo e dinheiro em uma arma para enfrentar o poder do Ocidente.
Em 1980, ele assumiu uma posição de liderança para evitar uma guerra entre a Jordânia e a Síria, o que elevou seu estatus dentro da Arábia Saudita e no mundo diplomático internacional.
Com a morte do rei Khalid, em 1982, o novo monarca, o rei Fahd, nomeou Abdullah príncipe da Coroa e vice-primeiro-ministro.
Esta nomeação sofreu oposição dos sete irmãos do rei, segundo relatos, mas Abdullah conseguiu garantir sua posição ao lidar com habilidade o campo minado de relacionamentos da Casa de Saud.

Terrorismo

Abdullah se pronunciou contra a violência no Oriente Médio dizendo que "rejeitava atos de terrorismo que visavam minar a estabilidade da região do Golfo".
Em 1991, depois da invasão do Kuwait pelo Iraque, Abdullah relutou em apoiar a presença de soldados americanos na Arábia Saudita, acreditando que negociar com Saddam Hussein era uma melhor opção do que a guerra, mas o rei Fahd assumiu uma posição contrária, que prevaleceu.
Como príncipe da Coroa, ele consistentemente apoiou os palestinos, apesar de sua relação pessoal com o líder palestino Yasser Arafat estar estremecida na época.
Ele não hesitou em criticar as ações de líderes palestinos, pedindo comedimento em 1994 depois de uma série de confrontos com Israel na Faixa de Gaza.
Em novembro de 1995, o rei Fahd sofreu um derrame, e Abdullah passou a ser o governante de fato da Arábia Saudita, apesar da transferência de poder ter sido mantida em segredo até janeiro de 1996.
Apesar das garantias de que o novo rei manteria relações próximas com os americanos, Abdullah estava determinado a decidir sobre futuras alianças.
Em 1997, ele disse a um jornal libanês que, apesar da Arábia Saudita manter relações amigáveis com os Estados Unidos, "não permitiria que os interesses deles viessem antes dos interesses sauditas, que são os de árabes e muçulmanos de todas as partes".

Críticas

Após os ataques de 11 de setembro de 2001 aos Estados Unidos, Abdullah tornou mais discretas as celebrações anuais do aniversário do Estado saudita, em deferência aos americanos, mas depois criticou abertamente o que enxergou como um retrato negativo da Arábia Saudita pela mídia após os ataques.
No período que antecedeu à invasão do Iraque pelos Estados Unidos, os sauditas não permitiram que aviões americanos usassem a base Príncipe Sultan, na Arábia Saudita, antes que uma resolução da ONU autorizasse a guerra.
Em 2002, a Liga Árabe adotou as propostas de Abdullah para o fim do conflito árabe com Israel.
Isso incluiu acordos de paz com Israel em troca da total retirada israelense das áreas que iam além daquelas acordadas antes do cessar-fogo de 1967 e a criação do Estado palestino.
O presidente Bush se recusou a apoiar este plano, o que levou Abdullah a comentar que acreditava que o líder americano havia sido mal informado de seus detalhes.
Abdullah anunciou uma grande operação de segurança em 2003, após os primeiros ataques de militantes na Arábia Saudita.
Acreditava-se que estes ataques haviam realizados por grupos islâmicos insatisfeitos com a posição pró-Ocidente do país, e Abdullah prometeu acabar com o terrorismo na Arábia Saudita.

Presença feminina

Abdullah assumiu o trono oficialmente em 2005, após a morte do rei Fahd.
No país, ele era visto como reformista, apesar de agir de forma lenta e constante, o que fez com que o governo fosse criticado pela imprensa. Ele também deu indícios de que apoiava uma maior presença feminina no mercado de trabalho.
Quando questionado sobre o tratamento dado a mulheres sauditas, ele disse: "Acredito fortemente nos direitos das mulheres. Minha mãe é uma mulher. Minha irmã é uma mulher. Minha filha é uma mulher. Minha esposa é uma mulher".
Em 2011, o rei Abdullah deu às mulheres o direito ao voto e de se candidatar em eleições municipais, algo que foi visto como o mais importante avanço em termos de direitos femininos na Arábia Saudita em várias décadas.Fonte/MSN notícias.

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply