Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » São Paulo teve número recorde de multas em 2014: 20 por minuto
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

SÃO PAULO - O número de multas de trânsito aplicadas na cidade de São Paulo cresceu 4,5% no ano passado, na comparação com 2013. Ao todo, foram registradas 10,6 milhões de autuações, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), um recorde - 500 mil a mais do que dois anos atrás. A infração que mais aumentou, 69,5%, é a que trata do desrespeito dos motoristas e motociclistas às faixas e corredores exclusivos de ônibus.
Hoje, a cidade tem 462 quilômetros de faixas exclusivas, a maior parte construída depois dos protestos de junho de 2013. “Para termos corredores e faixas funcionando a contento, temos de coibir a invasão de outros veículos nos trechos segregados para o transporte coletivo”, justificou a companhia em nota oficial.
Para o engenheiro Horácio Augusto Figueira, mestre em Transportes pela Universidade de São Paulo (USP), a fiscalização intensificada nas vias exclusivas para ônibus é correta e deveria ser ampliada. “Isso porque muitos trechos de faixas exclusivas ainda operam no vermelho, ou seja, neles a velocidade dos ônibus fica abaixo de 15 km/h. A fiscalização ainda não é suficiente.” Ele defende que o horário de todas as faixas exclusivas à direita seja ampliado e não funcione só no pico.
Na comparação entre os dois anos, houve queda nas autuações envolvendo desrespeito ao rodízio (-8,6%), excesso de velocidade (-0,4%), trânsito irregular de caminhões (-26%) e inspeção veicular (-90,3%) - lembrando que o serviço deixou de ser cobrado pela Prefeitura, após o rompimento do contrato com a Controlar. Em três meses do ano, o número de autuações mensal passou de 1 milhão - o maior número em 24 meses foi registrado em julho de 2014: 1.189.825 multas.Fonte/MSN Notícias - Foto/MSN

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply