Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » A vida privada de um bilionário a apenas um clique
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

© Tiago Queiroz/Estadão Leiloeiro Renato Moysés é o responsável pelo leilão da mansão que pertenceu a Edemar Cid Ferreira 

A história da mansão construída peloex-banqueiro Edemar Cid Ferreira não terminou com a saída da família do imóvel, em 2011. Um dos milhares de bens incluídos no processo de falência do Banco Santos, iniciado há 13 anos, a casa continua a colecionar bons casos. Apesar de a mansão estar fechada, deteriorada e desprovida da maioria das obras de arte que a transformavam em uma espécie de museu particular dos Cid Ferreira, ainda há ocasionais momentos de glória: a icônica cena de nu da atriz Paolla Oliveira na série Felizes para Sempre?, da TV Globo, foi filmada ali, em 2014. Há seis anos sem moradores, a casa é todos os dias vigiada por funcionários da administração da massa falida do banco, encarregados da manutenção do imóvel.

Localizada no topo de uma ladeira no Morumbi, a mansão pode finalmente mudar de mãos. A empresa Superbid, com o administrador da massa falida do banco, Vânio Aguiar, marcou leilão online do imóvel para 20 de novembro. O lance mínimo é de R$ 78 milhões. Embora o leilão inclua outros bens, como um edifício invadido e terrenos na Marginal Pinheiros, considerados melhores opções de investimento, o ponto central do certame é, inevitavelmente, a casa. Não é todo dia, afinal, que se pode ficar a apenas um clique do estilo de vida dos megarricos.

Superlativa.

A curiosidade é justificada pelo estilo superlativo do imóvel. Instalada em terreno de 12 mil m², a residência tem 4,5 mil m² de área construída e inclui facilidades como duas piscinas – uma coberta e outra ao ar livre –, uma adega que abriga 5 mil garrafas de vinho, duas bibliotecas (com coleção de livros de arte incluída) e vista panorâmica da cidade, com os páreos de domingo do Jockey Club de São Paulo em primeiro plano. Algumas obras de arte de difícil remoção – como pesadas esculturas hoje meio esquecidas em um dos cômodos – vão no pacote do leilão, assim como alguns móveis escolhidos pelos Cid Ferreira nos tempos de bonança. Só a mesa de jantar de 24 lugares custou, na época, US$ 350 mil (mais de R$ 1 milhão).

O idílio do banqueiro, da mulher e de seus filhos na casa, no entanto, foi curto. Depois de dois anos de obras, a mansão ficou pronta poucos meses antes da falência do Banco Santos ser decretada. E Cid Ferreira foi obrigado a repensar o uso de certas alas de seu palácio. Conhecida pelo fascínio por arte – mesmo após a venda de boa parte do acervo, ainda restam na residência quadros e esculturas avaliadas em R$ 11 milhões, a serem negociados separadamente –, a família reservara uma ala da mansão para suítes que abrigariam artistas importantes de passagem por São Paulo.

Logo, porém, os quartos tiveram sua função modificada: viraram um bunker da defesa do ex-banqueiro, com pilhas de processos tomando todo o espaço. Depois de os Cid Ferreira terem sido obrigados a deixar a casa, todos os cômodos foram esvaziados, embora alguns objetos pessoais dos ex-bilionários, incluindo camas e aparelhos de ginástica, tenham sido deixados para trás.
Nesses últimos seis anos, a residência – que, em um certo período, contabilizava quatro moradores e 54 empregados –, custou R$ 8 milhões à massa falida. Isso porque o projeto do arquiteto Ruy Ohtake já incluía, 15 anos atrás, a automação de persianas e um sistema completo de ar-condicionado – luxos que elevaram a conta de luz para R$ 100 mil por mês. Além dos gastos fixos salgados, um eventual novo dono também terá de arcar com uma reforma, já que os problemas se proliferam entre corredores de mármore e escadarias suntuosas: há pisos de madeira podres, lâmpadas caídas e portas que já não abrem e nem fecham.

Na briga

A chance de que o leilão não saia do papel ainda é considerável. Primeiro, por uma questão mercadológica. O interesse por mansões do gênero está em baixa no momento. E, segundo, porque o advogado Luiz Augusto Winther Rebello já entrou com um agravo e um pedido de liminar para impedir, mais uma vez, o leilão – a reportagem tentou falar diretamente com Edemar Cid Ferreira, mas não obteve retorno. O advogado entende que a casa deve ser repassada ao condomínio de credores que tem feito a venda e renegociação de ativos do banco. “Não pode ter dois pesos e duas medidas.”

Fonte/MSN Notícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply