Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » Partidos em disputa pelo capital político dos evangélicos para 2018
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

© Agência Brasil Manifestantes na na Comissão Especial sobre o Estatuto da Família, apoiada pelos evangélicos, em 2015.

Dois meses antes das eleições mais acirradas da história brasileira, a mandatária máxima do país e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), uma ex-guerrilheira que já deixou escapar sua visão agnóstica, se deslocou de Brasília até São Paulo para assistir a um culto evangélico de quase três horas. A exposição foi marcada pela fala de um pastor, que contou sobre a época em que fumava "até cem pedras de crack por noite". "O vício é um espírito, um encosto, que domina o sistema nervoso", explicava ele, já "curado pela fé", diante de uma plateia que, além de Rousseff, reunia a nata do poder brasileiro: o então vice-presidente Michel Temer, ministros, o governador e o prefeito de São Paulo e os membros mais importantes do parlamento do país.
Naquele julho de 2014 eles participavam da inauguração do Templo de Salomão, a mega-igreja de 100.000 metros quadrados com capacidade para receber até 10.000 fiéis construída no centro da maior capital do país pelo bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus. A IURD, sigla pela qual é conhecida, é uma das principais expoentes da religião evangélica, doutrina que mais cresce no Brasil. Estava ali, naquela convençãosuprapartidária, o retrato fiel da importância política que os evangélicos adquiriram no país nos últimos anos. Ninguém pode correr o risco de desagradá-los, de olho em um apoio para as próximas eleições.
Na última década, Macedo e as principais lideranças evangélicas, que se multiplicaram diante de disputas e desentendimentos internos, apoiaram o PT, em uma aliança antes improvável e que em muitos momentos obrigou o partido de esquerda a recuar na adoção de pautas progressistas. Mas, no processo que levou ao impeachment de Rousseff, no ano passado, esses apoios foram ficando pelo caminho e o partido de Luiz Inácio Lula da Silva acabou abandonado. A dúvida, agora, é para onde esses apoios migrarão em 2018, em um cenário em que despontam as preferências pelas ideias do militar reformado Jair Bolsonaro, que inclusive passou por um batismo evangélico em Israel no ano passado, e nomes do PSDB, em especial o do prefeito João Doria.
Esse capital político evangélico foi construído ao longo de décadas, seguindo a tendência de aumento do número de praticantes da religião no país. Nos últimos dez anos, a quantidade de evangélicos saltou 61%, segundo dados do último Censo do IBGE, de 2010, marcando uma tendência contrária a seguida pela igreja Católica, que perdeu fiéis. É uma massa de 42,3 milhões de brasileiros (22,2% da população), que, segundo um Datafolha mais recente, já teria chegado a 32%. Um aumento que se refletiu também na quantidade de evangélicos no parlamento brasileiro. Se no final da década de 1980 eles conseguiram eleger 32 parlamentares com a campanha "irmão vota em irmão", nas últimas eleições o número chegou a 77 (incluindo três senadores), segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP). A bancada do PMDB na Câmara, por exemplo, a maior da Casa, tem 60 deputados em exercício atualmente. "É razoavelmente barato eleger parlamentares evangélicos. Os gastos são menores porque há a estrutura da igreja para se usar na campanha", explica Ronaldo Almeida, professor de antropologia da Unicamp e pesquisador do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap).
Essa mecânica sociopolítica criou um capital de barganha para os líderes religiosos que se divide em duas frentes. A primeira é o apoio no Congresso Nacional, que têm peso especialmente em votações mais apertadas. E a segunda, a abertura de espaço nas igrejas para a exposição de candidatos, ainda que antes das eleições, já que a legislação eleitoral proíbe no período eleitoral —uma espécie de propaganda gratuita que atinge milhares de pessoas e não tem limite de tempo. No último dia 26, por exemplo, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), que oscila entre disputar a presidência e o Governo do Estado no próximo ano, esteve no palco da Assembleia Mundial do Poder de Deus, controlada pelo apóstolo Valdemiro Santiago, ex-discípulo de Edir Macedo, com quem brigou. Diante de uma plateia de 15.000 pessoas, o prefeito, cuja taxa de aprovação caiu no mês passado, escutou o religioso afirmar que estava satisfeito com seu trabalho na prefeitura, antes de fazer um apelo para que seus fiéis fossem mais pacientes com os resultados de sua gestão. A exposição durou 13 minutos, mais do que os 12 minutos e 45 segundos diários a que Doria teve direito durante sua campanha para prefeito.
Doria é um dos nomes que pode receber apoio de boa parte dos grupos evangélicos, caso decida concorrer em 2018. Em agosto, ele e o governador Geraldo Alckmin, o mais cotado para a disputa pelo PSDB, participaram da Expo Cristã e tomaram um café da manhã com líderes evangélicos como o midiático Silas Malafaia, pastor da Vitória em Cristo, uma vertente da Assembleia de Deus. Malafaia deu a eles um recado: "Não vamos apoiar em nenhuma eleição quem apoia ideologia de gênero. Essa é uma das maiores engenharias do diabo para destruir a família", ressaltou o pastor. "Eu conheço o sexo macho e fêmea e não negociamos nossos valores". Ao EL PAÍS, Malafaia afirmou que não gostou da resposta pública de Alckmin após ouvir o recado. "Ele disse que é a favor do amor. Então siga o caminho dele! Alckmin é um ensaboado", ressaltou Malafaia.
Para o pastor, Doria teria mais chances com os evangélicos por ser “liberal na economia e competente”, além de não estar citado em nenhum escândalo de corrupção. Mas terá que mostrar o que defende nos aspectos sociais. "Ainda não decidi quem apoiar. Mas existem algumas coisas que são caras para os evangélicos e católicos praticantes. Qualquer candidato que apoiar aborto, ideologia de gênero ou casamento gay já perde o espaço", afirma o pastor." Acredito que, querendo ou não, se Doria for candidato pelo PSDB já perde muito por causa do envolvimento do partido com corrupção", ressalta ele, que é muito próximo de outras lideranças evangélicas fortes.
 Por ter posições claras e similares às defendidas por boa parte dos evangélicos, Bolsonaro deverá ter mais chances com os praticantes da religião. "Ele vai capitanear grande parte do voto evangélico. Grande, grande, grande parte", ressalta. "Não tem para ninguém, mais de 50% dos votos vai para ele. Se o Alckmin for o candidato [no lugar de Doria], então, vai ser 90%", destaca.
Já para o deputado evangélico Ronaldo Fonseca (PROS), que tenta criar no ano que vem um "partido cristão conservador", o Partido Republicano Cristão (PRC), um nome da centro-direita seria a melhor opção. Ele acredita que até janeiro conseguirá tirar a legenda do papel e levar mais de dez deputados, hoje em diferentes partidos, para sua agremiação, aproveitando-se da mudança da legislação que permite a criação de novas legendas até seis meses antes das eleições. Fonseca é ligado ao pastor José Wellington Bezerra da Costa, do Ministério do Belém, um outro braço da Assembleia de Deus, a maior denominação evangélica do país, e que também apoiou Rousseff à reeleição e a abandonou antes do impeachment.
"A corrupção [do PT] ficou muito generalizada, muito explícita", explicou Fonseca para justificar o abandono. "Muitos evangélicos estão vendo no Bolsonaro uma forma de extravasar o que pensam. Mas eu tenho muitas críticas a ele. Não acho que ele é conservador. É radical. Representa um personagem e está aproveitando de uma situação em que o Brasil está frustrado com a esquerda. Não é porque eu sou contra o casamento gay que eu tenho que ser radical com os gays. Não posso achar que toda polícia tem que matar. Isso não representa os evangélicos", diz ele. O deputado não deixa claro quem o PRC apoiaria, caso seja de fato criado, mas dá pistas que mostram a inclinação ao PSDB. "Neste momento de transição que estamos vivendo, queremos que o Brasil atravesse numa ponte já experimentada, que sabe que é segura, ou queremos uma aventura?", afirma, enigmático. Mas e o apoio ao PT? "[O partido] teria dificuldade", enfatiza.
O partido de Lula já trabalha com a certeza de que não conseguirá o apoio da cúpula das igrejas e tenta apelar para as bases de fiéis. Membros do partido têm se reunido em igrejas de bairro e tentado apelar para os fiéis com o discurso de seu combate à desigualdade social. O PT sabe que tem duas vantagens a seu favor. A primeira é que uma recente pesquisa Datafolha mostrou que a taxa dos fiéis evangélicos que segue a recomendação de seus pastores no momento de votar é pequena: apenas 26%. E a segunda é que Lula tem melhor desempenho entre os mais pobres, justamente a parcela que mais concentra evangélicos. Esta massa de pessoas viu, ao longo dos anos, sua situação econômica melhorar e costuma ser a mais afetada por políticas de austeridade, como as implementadas pelo Governo Temer.
Fonte/MSNNotícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply