Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » Paulo Guedes indica Roberto Castello Branco, da FGV, para chefiar Petrobras
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

                                    Imagem / Reprodução Youtube
O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, acertou com o presidente da República eleito, Jair Bolsonaro, que o novo presidente da Petrobras deve ser o economista Roberto Castello Branco, hoje na Fundação Getúlio Vargas.
O atual presidente da estatal, Ivan Monteiro, estava cotado para ficar com a cadeira. Por razões pessoais, preferiu declinar. Disse a Paulo Guedes que sentia ter concluído sua missão, que tinha sido muito custosa inclusive para sua saúde –emagreceu cerca de 10 kg desde que assumiu o posto no lugar de Pedro Parente, em junho de 2018.
Por essa razão, Guedes e Bolsonaro acertaram ontem, domingo (18.nov.2018), que o posto de presidente da Petrobras irá para Roberto Castello Branco.
Como é egresso do Banco do Brasil, Ivan Monteiro recebeu uma sondagem da equipe econômica de Paulo Guedes. Se tiver interesse, pode retornar a Brasília para presidir o banco estatal. Monteiro ainda não deu a resposta definitiva.

QUEM É CASTELLO BRANCO

Roberto da Cunha Castello Branco já trabalhou na Petrobras. O engenheiro integrou o Conselho de Administração e o Comitê de Auditoria da estatal nos anos de 2015 e 2016. À época, Graça Foster presidia a empresa, no governo de  Dilma Rousseff (PT).
Segundo seu currículo na Plataforma Lattes, do CNPq, Castello Branco tem doutorado em economia pela FGV (1977) e pós-doutorado pela Universidade de Chicago (1977-78). A instituição norte-americana é uma referência na vertente liberal –o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, foi aluno da escola de Chicago.
Uma das primeiras ocupações profissionais de Castello Branco foi a de professor de pós-graduação em economia na própria Fundação Getúlio Vargas.
Em 1985, ocupou o cargo de diretor de Normas e Mercado de Capitais do BC (Banco Central), no governo de José Sarney (MDB).
Poder360 apurou que uma nota oficial deve ser divulgada nesta 2ª feira (19.nov.2018) dizendo que Paulo Guedes “recomendou ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, a indicação de Roberto Castello Branco para a presidência da Petrobras” e que “Castello aceitou o convite“.
Será enfatizado no anúncio que o economista tem extensa carreira acadêmica, mas que também trabalhou na iniciativa privada, quando esteve na mineradora Vale. Atualmente, Castello Branco é diretor do Centro de Estudos de Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas.
Castello Branco é tido por Paulo Guedes como 1 especialista na área de óleo e gás –desenvolveu projetos de pesquisa nessa área quando foi do conselho da Petrobras.
O futuro ministro da Economia está tranquilo com a indicação. Considera Castello Branco 1 liberal que comandará a Petrobras de maneira aberta e sendo favorável aos planos que pretende implementar –ser mais amigável à competição no mercado e privatizando algumas áreas da estatal, como a BR Distribuidora.

BANCO DO BRASIL E CEF

A expectativa de Paulo Guedes, segundo apurou o Poder360, é que Ivan Monteiro aceite o cargo de presidente do Banco do Brasil e Ana Paula Vescovi fique com o comando da Caixa Econômica Federal.
O nome que está sendo considerado para essas duas posições também é o de Pedro Duarte Guimarães, atualmente no Brasil Plural S.A., banco múltiplo fundado por ex-integrantes do BTG Pactual.
Pedro Guimarães, como é conhecido, saiu do BTG em setembro de 2011 e ingressou na Plural Capital, precursora do atual Brasil Plural –que virou banco logo depois, com a compra do Banco Modal.
currículo publicado no site do Brasil Plural para Pedro Guimarães é o seguinte:
“Possui mais de 20 anos de experiência no mercado financeiro. Coordenou mais de R$ 150 bilhões em operações de mercado de capitais e mais de R$ 30 bilhões em reestruturações de empresas. Assessorou diversos processos de privatização, com destaque para a do Banespa. Montou a gestora de produtos estruturados do Grupo Brasil Plural tendo como foco inicial a reestruturação de empresas e a venda via mercado de capitais. Foi analista de research no setor financeiro tendo recebido o prêmio de melhor analista do Brasil, por diversas vezes, da revista ‘Institutional Investor’. É membro do Conselho de Administração da Terra Brasis e das Eólicas do Sul.  Pedro é Ph.D. em Economia pela University of Rochester tendo como tese o processo de privatização no Brasil”.
Pedro Guimarães será chamado por Paulo Guedes para o caso de Ivan Monteiro ou Ana Paula Vescovi não demonstrarem interesse no BB e na CEF, respectivamente.
Nem Monteiro nem Vescovi foram ainda formalmente convidados. Houve apenas sondagens e ambos teriam de demonstrar real interesse em ficar com essas posições. Caso isso não ocorra, Guedes deve partir para buscar profissionais no mercado –e Pedro Guimarães é 1 dos mais cotados para puxar essa fila.

INFRAESTRUTURA E MINAS E ENERGIA

Esse setor do futuro governo estava ontem, domingo (19,.nov.2018), ainda em aberto. Paulo Guedes não participa das decisões dessa área diretamente, que está sob influência do grupo de militares que assessoram Jair Bolsonaro.
O que parece ter ficado já definido é que haverá duas pastas –e não apenas uma como se havia imaginado dentro do bolsonarismo. O Ministério da Infraestrutura ficará com Transportes, Portos, Aeroportos e Comunicações. E o Ministério das Minas e Energia será mantido tal qual está hoje.
Para a Infraestrutura, Bolsonaro havia pensado em nomear o general da reserva Oswaldo Ferreira. O indicado declinou e alegou razões pessoais –mas seguirá ajudando na montagem da próxima administração federal.
Para as Minas e Energia, até este momento está cotado para a cadeira o ex-secretário-executivo da pasta Paulo Pedrosa, especialista no setor de energia. Sua indicação agradou aos militares, mas ele não é consenso absoluto por não ser tão familiarizado com a área de petróleo e gás.
Não está claro quando Bolsonaro definirá os nomes para as pastas da Infraestrutura e de Minas e Energia. A ideia inicial do presidente eleito seria terminar novembro com todos os seus ministros anunciados.
Fonte / MSN Notícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply