Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » Cabral é condenado a 14 anos e 5 meses de prisão; penas somam quase 200 anos
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

                                  Imagem / Reprodução Youtube

O juiz Marcelo Bretas, titular da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, condenou nesta 2ª feira (3.dez.2018) o ex-governador do Estado Sérgio Cabral a 14 anos e 5 meses de reclusão em regime fechado, por lavagem de dinheiro, favorecimento a ex-mulher Susana Neves Cabral e seu irmão, Maurício de Oliveira Cabral Santos, e recebimento de propina.
Com a condenação, as penas de Cabral chegam a 197 anos e 11 meses de reclusão.
Na decisão, o juiz Marcelo Bretas disse que Sérgio Cabral “desviou-se de suas atribuições públicas para se dedicar a práticas delituosas durante os anos em que esteve à frente do governo do Estado do Rio de Janeiro, beneficiando-se do dinheiro público desviado e branqueado por sua organização criminosa, altas somas de dinheiro, a fim de satisfazer sua ambição desmedida”.
Segundo Bretas, apesar Cabral ter possuído enorme responsabilidade social enquanto governador, optou por atentar contra a moralidade e o patrimônio público.
“[Cabral atuou] Empenhando sua honorabilidade, seduzindo e envolvendo empresários e pessoas de seu relacionamento pessoal, parentes e amigos. como no caso dos autos, em atos delituosos visando a promover lavagem de valores desviados dos cofres públicos”, disse.

Como ficam os outros condenados

Suzana Cabral e Maurício Cabral também foram condenados na ação. Segundo a acusação, os 2 receberam R$ 1,1 milhão em propina da FW Empreendimentos Imobiliários e Construções, pertencente ao empresário Flávio Matos Werneck, que também foi condenado, assim como seu contador, Alberto Silveira Conde.
Eis as penas:
  • Suzana Cabral: condenada a 8 anos e 4 meses de prisão em regime fechado;
  • Maurício Cabral: condenado a 4 anos e 6 meses de prisão em regime semiaberto;
  • Flávio Matos Werneck: condenado a 8 anos e 4 meses de prisão em regime fechado;
  • Alberto Silveira Conde: condenado a 4 anos e 6 meses em regime semiaberto.
Em nota, os advogados de Maurício Cabral, Daniel Raizman e Fernanda Freixinho, afirmaram que o cliente é inocente. Segundo eles, o juiz “não avaliou adequadamente o conjunto probatório, em especial o depoimento do colaborador Carlos Miranda, que afirmou na sua delação e ante o juízo, que Maurício Cabral não participou do esquema criminoso”. A defesa informou que irá recorrer da sentença.

O que diz a denúncia

Em junho, o MPF (Ministério Público Federal) apresentou denúncia sobre o esquema de movimentação por meio lavagem de dinheiro em contratos que o governo firmou com a FW Engenharia, que gerou o pagamento de R$ 1,7 milhão em propina aos réus por meio de empresas de fachada.
A denúncia foi aberta com base investigações das operações Calicute e Eficiência, que indicaram que Suzana Neves teria comprado em nome de uma empresa 1 imóvel em São João del Rei por R$ 600 mil sem que, aparentemente, tivesse recursos de origem lícita compatível.
Além disso, entre outubro de 2011 e dezembro de 2013, o MPF identificou 31 transferências bancárias de recursos do grupo de empresas da empreiteira FW Engenharia, por intermédio da empresa Survey Mar e Serviços Ltda, que realizou pagamentos à empresa em nome de Susana como serviços de consultoria que superavam em duas vez a renda bruta declarada.
Quase 50% dos valores recebidos pela Survey da FW no período analisado pela investigação foram repassados logo em seguida para a empresa de Suzana.
Em delação, o operador de Cabral, Carlos Miranda disse ter pago propina a Suzana e Maurício para que a construtora fosse beneficiada no PAC Favelas (Programa de Urbanização e Regularização Fundiária), na construção do Arco Metropolitano e com participação na reforma do Estádio do Maracanã para a Copa do Mundo de 2014, obras tocadas no mandato do então governador.
Fonte / MSN Notícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply