Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » ‘Presidente do PT precisa ser uma pessoa como o Haddad’, diz Tarso Genro
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

                                  Imagem / Reprodução Youtube

O ex-ministro da Justiça e ex-governador Tarso Genro (PT-RS) quer que Fernando Haddad seja o próximo presidente do partido.
“O próximo presidente do PT precisa ser uma pessoa como o Haddad. Alguém que seja ligado aos movimentos sociais e à intelectualidade”, disse ao Poder360.
Ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro da Educação, Haddad ganhou relevância no partido após substituir Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso em Curitiba, como candidato a presidente em 2018.
O paulistano perdeu para Jair Bolsonaro (PSL) no 2º turno e tem tentado se firmar como principal líder da oposição.
Em 2005, em meio à crise do Mensalão, que envolveu os ex-presidentes da sigla José Dirceu e José Genoíno, Genro substituiu Genoíno no comando partido, que renunciou ao cargo. Ele era ministro da Educação. Haddad assumiu o comando da pasta.
À época, o gaúcho rompeu com a ala majoritária do PT e fundou o movimento Mensagem Ao Partido, do qual também fazem parte o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo e o deputado federal Paulo Teixeira (SP).
Apesar de defender uma renovação na estrutura partidária do PT, Genro evitou criticar a gestão da atual presidente Gleisi Hoffmann e disse que, dentro do contexto de crise que a sigla vive, ela foi a melhor possibilidade.
De acordo com Genro, Lula deveria pedir progressão de pena para o regime domiciliar. A defesa do ex-presidente atua para que sua pena seja revertida e ele seja colocado em liberdade.
“Mesmo se sentindo injustiçado, defendo que o presidente deve pleitear a prisão domiciliar. Seria uma vitória dentro do contexto que estamos vivendo”, afirmou.
Leia os principais trechos da entrevista:
Poder360: Há a possibilidade de Lula tentar progredir para a prisão domiciliar? Setores do partido tentam convencê-lo dessa ideia?
Tarso Genro: Não tenho contato permanente com a direção do partido, então não posso falar por eles. Mas acho uma ideia correta e justa. Não é aceitável que ele esteja preso com o processo transitado em julgado. Mesmo se sentindo injustiçado, defendo que o presidente deve pleitear a prisão domiciliar. Seria uma vitória dentro do contexto que estamos vivendo.
Tem conversado com o ex-presidente?
Não fiz nenhuma visita. Meu contato com ele é através do Haddad e dos filhos dele. Ele está com a agenda sobrecarregada. Aguardo o momento oportuno para visitá-lo. Não sou muito insistente, não tenho desejo político de interferir na agenda do presidente.
O que achou da direção do PT mudar resolução pós-eleição da sigla que incluía críticas ao ajuste fiscal de Dilma Rousseff?
Esse é 1 momento especial, nosso principal líder está preso. Embora não concorde com uma parte razoável da linha de campanha e do governo da presidente Dilma, não é adequado me manifestar sobre isso. A atual direção tem legitimidade para tomar decisões.
Acha que a condução de Gleisi Hoffmann na presidência do partido prejudicou ou beneficiou o PT durante a eleição?
Dentro do que é a maioria, Gleisi foi a melhor possibilidade. Não é fácil dirigir o partido nessa condição. Mas sou a favor de mudanças no partido, com outros métodos de direção e aproximação com as direções intermediárias nos Estados. O próximo presidente do PT precisa ser uma pessoa como o Haddad, alguém ligado aos movimentos sociais e à intelectualidade. Tenho conversado com pessoas de visão semelhante tanto de dentro do Mensagem ao Partido como de fora e eles são favoráveis.
Jaques Wagner terá protagonismo nessa renovação?
Ele é 1 nome valioso, mas posicionado e articulado com a maioria partidária.
Acha legítimo PDT, PC do B e PSB formarem 1 bloco de oposição no Congresso sem o PT?
Totalmente legítimo. O PT precisa construir uma frente política nova, ouvir, e se aproximar sem colocar hegemonismo, se aproximar com humildade.
Lula citou Mano Brown e disse que o PT precisa se reconectar com as ruas. Como isso deve ser feito na prática?
É muito importante que Lula tenha dito isso. As relações hoje são horizontais, em rede, não há mais relações hierárquicas. A conexão em rede supre as hierarquias dos partidos sobre os movimentos sociais. Precisa haver 1 diálogo de baixo para cima. Há também formas novas de empreendedorismo, junto ao grande e médio capital. Surge 1 pensamento empresarial diferente daquele da Avenida Paulista, com trabalhadores e setores ligados a ele. Não só o PT, mas toda a classe política precisa ter essa compreensão do novo fenômeno da economia mundial no trabalho.
Bolsonaro soube se comunicar com a população durante a campanha?
O Haddad fez uma bela campanha, mas de certa forma sim. A reforma trabalhista está consolidada em muitos pontos, resistir a ela como o PT e a esquerda têm feito é importante, mas insuficiente. Precisamos nos adaptar a esse novo mundo de trabalho desqualificado, com trabalhadores intermitentes. A esquerda tem que desenvolver 1 manto protetor para o trabalhador semi-integrado de baixa renda que vai trabalhar 12 horas para ganhar 1 salário mínimo. Se não olharmos para essas pessoas, elas serão cooptadas pelo racismo, pelo autoritarismo e pela violência.
Fonte / MSN Notícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply