Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » Bolsonaro diz crer em Flávio e vê caso para ' atingi-lo `
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

                                 Imagem / Reprodução

Em mais uma entrevista exclusiva para a Record, o presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta 4ª feira (23.jan.2019) o filho mais velho, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Disse que a investigação do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) seria para atingi-lo.
“Acredito nele. A pressão em cima dele é para tentar me atingir. Ele tem explicado tudo o que acontece com essas acusações infundadas, que teve sim seu sigilo quebrado”, disse Bolsonaro. “Não é justo atingir o garoto, fazer o que estão fazendo com ele para tentar me atingir”.
A entrevista foi concedida em Davos, na Suíça. O presidente participa, até 5ª feira (24.jan), do Fórum Econômico Mundial.
Mais cedo, em entrevista à Bloomberg, Bolsonaro havia dito que “se por caso ele [Flávio]errou e isso for provado, lamento como pai, mas ele terá de pagar o preço por esses atos que não podemos aceitar”.
Flávio é investigado pelo MP-RJ. O deputado estadual é citado em relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) por duas movimentações financeiras identificadas como atípicas:
  • R$ 1.016.839 – pagamento de 1 título bancário à CEF (Caixa Econômica Federal);
  • 48 depósitos em espécie de R$ 2.000 – o dinheiro, no total de R$ 96.000, entrou na conta de Flávio no período de 9 de junho de 2017 a 13 de julho de 2017.
Segundo Flávio Bolsonaro, as transações se referem a uma operação com imóveis.
Na 3ª, foi noticiado que o senador eleito empregou em seu gabinete a mãe e a mulher de 1 suspeito de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco. Ele disse que seu ex-assessor e ex-motorista Fabrício Queiroz –pivô do caso Coaf– foi o responsável pelas indicações.
Queiroz teria movimentado R$ 7 milhões em 3 anos. E feito 1 depósito de R$ 24.000 na conta da atual primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

Cancelou entrevista ‘por recomendação médica’

Bolsonaro negou que tenha cancelado a entrevista à imprensa em Davos nesta 4ª feira por receio de ser questionado sobre a situação do filho. Disse que os médicos recomendaram que descansasse.
“Foi recomendação médica de que eu tenha que chegar descansado domingo em São Paulo para que eu possa me submeter a uma cirurgia bastante complexa, e que todo o meu abdômen será aberto novamente”, disse o presidente.
O presidente passa por cirurgia de retirada da bolsa de colostomia que usa desde setembro de 2018, dias depois de levar uma facada durante ato de campanha em Juiz de Fora (MG).
“Na última vez eu tomei 35 pontos, então não posso chegar cansado lá. E, logicamente, o que nós pudermos cancelar aqui, cancelaremos”, afirmou.

Record e o acesso à família Bolsonaro

A Record realizou 4 entrevistas exclusivas com o presidente e seus familiares desde 6ª feira (18.jan). Todas com ambiente favorável aos Bolsonaro.
Na 6ª, Flávio Bolsonaro disse que o MP-RJ agiu de “forma ilegal” no caso Fabrício Queiroz. Não foi confrontado. No mesmo dia, o Jornal Nacional noticiou os depósitos fracionados de R$ 96.000 em sua conta.
No domingo, Flávio –mais uma vez– e a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, foram entrevistados:
  • o senador eleito não explicou os depósitos fracionados;
  • a primeira-dama falou da rotina no Palácio da Alvorada, do discurso em libras na posse. Nada sobre o depósito de R$ 24.000 feito por Queiroz em sua conta.
Na noite desta 4ª, com Bolsonaro, os 5 minutos veiculados foram de declarações do presidente. A repórter que o entrevistou falou apenas no começo, para agradecê-lo por conceder a entrevista.
A Record é de Edir Macedo, bispo da Igreja Universal do Reino de Deus. Macedo declarou apoio a Jair Bolsonaro nas eleições de 2018.
Fonte / MSN Notícias

Publicado por o progresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply