Select Menu

Slider

Travel

Cute

My Place

Racing

» » » » Bolsonaro viajou a Davos no 'AeroLula', alvo da oposição ao PT
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Imagem / Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro e sua comitiva viajaram à Suíça para o Fórum Econômico Mundial no avião Airbus da Presidência comprado em 2004 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Batizado de "AeroLula" pela oposição ao governo petista, a compra do avião foi alvo de intensas críticas no Congresso Nacional.
A oposição dizia na época que o governo petista havia sido irresponsável ao gastar uma fortuna para a compra e a manutenção de um avião luxuoso de última geração, em vez de usar o dinheiro para obras sociais e construção de estradas, por exemplo. Um dos críticos foi o atual ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, então deputado federal pelo PFL, hoje DEM.
Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, que foi a Davos no mesmo avião, fizeram campanha eleitoral com discurso de um corte severo nos gastos públicos. Além deles, embarcaram na noite do domingo (20) quatro ministros: Sergio Moro (Justiça), Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Gustavo Bebianno (Secretaria-Geral) e Augusto Heleno (GSI).
O valor total da viagem à Suíça, incluindo o combustível do "AeroLula" e as diárias da tripulação da FAB, não foi divulgado pela Presidência. Procurada pela reportagem, a Presidência informou que não divulgará "por questão de segurança", nos termos de um decreto de 2012, do governo Dilma Rousseff (PT).
"Também por questões de segurança, o VC-1 é a aeronave utilizada pelos presidentes da República tanto em viagens domésticas quanto para o exterior", informou a assessoria.
A reportagem quis saber por que o presidente e sua comitiva não optaram por voos comerciais. "A questão do voo comercial não se aplica, tendo em vista que os presidentes da República sempre viajam em aeronaves da Força Aérea Brasileira", informou a Presidência.
A reportagem quis saber se há proibição legal para um presidente utilizar voo de carreira, e a Presidência respondeu que só quem poderia tirar essa dúvida era a Aeronáutica.
O "AeroLula" foi adquirido da francesa Airbus no segundo ano do primeiro mandato de Lula, em 2004, por cerca de R$ 150 milhões em valores da época, ou aproximadamente R$ 323 milhões em valores atualizados pelo IGP-M. O governo Lula também assinou na época um contrato com a empresa aérea TAM no valor de R$ 15,4 milhões para manutenção do Airbus num período de cinco anos.
'TODO O CONFORTO'
Indagado pela reportagem sobre o avião usado para transportar Bolsonaro e comitiva até a Suíça, o Comando da Aeronáutica confirmou: "A aeronave presidencial VC-1 Airbus A319CJ, operada pelo Grupo de Transporte Especial, chegou ao Brasil em 2005".
A FAB informou que o voo até a Suíça foi "planejado em duas etapas", sete horas de Brasília até Las Palmas, na ilha de Gran Canária, onde o avião foi reabastecido, e de lá até Zurique, na Suíça.
O mesmo avião foi usado pelos presidentes Dilma Rousseff (2011-2016) e Michel Temer (2016-2018).
Na época da aquisição do avião, o então deputado Onyx Lorenzoni disse, em novembro de 2005, na tribuna da Câmara, que Lula tinha uma posição de alguém "completamente esquizofrênico", pois não reconheceria os problemas do Brasil como desemprego e falhas na saúde, enquanto gastava em outras áreas.
"Para o presidente da República tudo vai bem. Lula recebe o presidente Bush, compra avião, reforma o Palácio da Alvorada e cria inclusive uma nova expressão, referindo-se aos 'problemas hidrelétricos' do Palácio da Alvorada", disse o ministro.
Em 2007, Lorenzoni voltou ao assunto ao falar dos problemas de infraestrutura nos aeroportos brasileiros. "O presidente Lula, como sempre, de nada sabia. Aliás, nunca sabe de nada porque viaja de 'Aerolula', com todo o conforto; fura fila nos aeroportos e não é obrigado a esperar na sala de embarque", discursou na Câmara.
Em julho de 2004, quando a Câmara analisou a abertura de crédito para a compra do avião, o deputado Rodrigo Maia (DEM), hoje presidente da Câmara dos Deputados, anunciou que seu partido, o PFL, votaria contra.
"O PFL entende que o avião presidencial, neste momento, para o Brasil é um luxo desnecessário. O país não consegue, dentro do seu Orçamento, segundo o governo, cumprir as promessas de campanha do presidente da República em relação ao salário mínimo, ao salário dos servidores, ao choque social", disse Maia.
Ele afirmou ainda que as estradas brasileiras estavam em má situação, mas Lula, com a compra do avião, não precisará passar pelas estradas. "A população brasileira, porém, continuará a utilizá-las. E, sem os investimentos, a cada dia essas estradas ficam mais deterioradas."
Membro do mesmo partido de Maia, o deputado Fernando de Fabinho (PFL-BA) também criticou, em setembro de 2005, a compra do avião.
Ele atacou os gastos de "farras principescas" com cartões de crédito corporativo na Presidência de Lula. "O mesmo governo que gasta verdadeira fortuna na compra de um avião presidencial, produto do deslumbramento irresponsável do presidente [Lula]", completou o parlamentar. Com informações da Folhapress.
Fonte / MSN Notícias

Publicado por Jornal OProgresso

As matérias assinadas não expressão a opinião do jornal.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

Nenhum comentário

Leave a Reply